terça-feira, 2 de dezembro de 2014

[CONVITE] Encontro “Prosas e Versos por Sagarana: um olhar para dentro”

Encontro “Prosas e Versos por Sagarana: um olhar para dentro”
Sagarana, primeira obra de João Guimarães Rosa, se passa no sertão de Minas Gerais, em um contexto interiorano onde as vidas se encontram e semeiam histórias e afetos em espaços cerrados no Cerrado. O poder e amor encontrados nessa obra estão intimamente ligados às pessoas que constroem seu destino na força de trabalho e na perspectiva de dias melhores pode ser vivenciado em um assentamento no noroeste mineiro cujo nome também Sagarana[1] fortalece vínculos e reciprocidades.
Com intuito de celebrar este lugar e as pessoas que ali vivem que a Estação Ecológica de Sagarana, Crescertão e Instituto Rosa e Sertão convidam para compartilhar momentos, prosas e versos durante o Encontro “Prosas e Versos por Sagarana: um olhar para dentro” que acontecerá nos dias 05 e 06 de dezembro de 2014. Propomos como horizonte a construção participativa de perspectivas de uma Sagarana pautada por propostas voltadas à sustentabilidade, no fortalecimento territorial e na promoção social e cultural.
É nesta toada que as múltiplas vozes se juntarão em busca de uma agenda territorial conjunta e participativa.
A casa está aberta!



[1] O distrito de Sagarana, o segundo assentamento de colonização implantado pelo governo militar no início da década de 70 no Brasil, situa-se ao sul do município de Arinos, há 275 km de Brasília e 700 km de Belo Horizonte. Desde o projeto de criação do assentamento de colonização pensou-se na proteção da Floresta Estacional Decidual na encosta entre o vale e a chapada, sendo protegida legalmente desde 2003 como Estação Ecológica Estadual de Sagarana, com 2.340,00 hectares.



Onde: Salão do Crescertão e Prefeitura Comunitária – Distrito de Sagarana/Arinos
Quando: 05 e 06 de dezembro de 2014.
Como: Por meio de construção coletiva em que os processos culturais de base comunitária sejam fortalecidos.




Programação:

Sexta-Feira, 05 de dezembro de 2014

19h00: Abertura
19h40: Exibição e discussão sobre o curta metragem “Mosaico de Conservação Sertão Veredas – Peruaçu, Cultura e Produção”, da 5ª Mostra Nacional de Produção Audiovisual Independente do Ministério da Cultura e do Ministério do Meio Ambiente.
20h30: “Partilhar alimentos, celebrar a vida”
Momento com a comunidade que, em comunhão, dividirão receitas, pratos e passos de dança.

Sábado, 06 de dezembro de 2014.

09h00: Roda de Prosa: Ciclos de diálogos sobre memória, oralidade e expressões culturais:
Ementa: As expressões artísticas locais são mais que momentos de lazer e oportunidade de convivência comunitária, são também atos de resistência contra a submissão cultural e a perda da memória local. O convívio no entorno das expressões artísticas locais promovem o diálogo e o empoderamento da comunidade de suas expressões culturais mantendo raízes profundas que se entrelaçam no cotidiano da produção familiar, da relação entre vizinhos e do contato com a natureza. A musicalidade, a culinária, as expressões corporais e a produção textual são ritos onde a identidade local se reafirma como portadora de historias, de formas de se relacionar, de sentimentos e comportamentos que particularizam uma visão de mundo comunitariamente compartilhada. O diálogo tem como busca a continuidade dos processos de avaliação e construção do Plano Territorial de Cultura do Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu, bem como, alicerçar as bases da elaboração do Plano Municipal de Cultura de Arinos.

12h00: Almoço

14h00: Roda de Prosa: Ciclo de diálogos sobre Sagarana: um olhar para dentro

Ementa: Ouvir quem vivencia é empreitar pelo caminho da compreensão e da incorporação de outro olhar sobre a realidade. Ouvir suas vozes e suas músicas é dar vasão aos pensamentos e impressões que se materializam em prosas, notas e versos. O ouvir pode ser o caminho para formulação do novo, de força motriz endógena por não perder seus laços de amizade e parentesco. Neste diálogo a escuta sensível buscará  perceber as diferentes percepções sobre os projetos e propostas que ocorreram ao longo de 2013 e 2014. 

20h00 Apresentações culturais locais:
Dança do Gamba
Dança do Engenho
Brincadeiras de Roda
Folia de Reis de 4 vozes




Como chegar e quem encontrar.


Alimentação:
As refeições serão realizadas nos estabelecimentos locais como o Restaurante da Dona Maria e o Bar do Guim. Valor médio do jantar: R$15,00
As pernoites poderão ocorrer nas casas dos moradores locais em:
Neguinho
(38) 9986-7478
Argemiro
(38) 9922-3942
Mércia
(38) 9982-4388
Anísio
(38) 9914-4647
Miriam
(38) 9906-4259
Dercílio
(38) 9808-6148
Maria da Ponte
(38) 9919-1485
Neide
(38) 9804-4142
Juvenil
(38) 9912-1972
Geraldo
(38) 9905-6130
Sr. Juvenor
(38) 9932-0801





[1] O distrito de Sagarana, o segundo assentamento de colonização implantado pelo governo militar no início da década de 70 no Brasil, situa-se ao sul do município de Arinos, há 275 km de Brasília e 700 km de Belo Horizonte. Desde o projeto de criação do assentamento de colonização pensou-se na proteção da Floresta Estacional Decidual na encosta entre o vale e a chapada, sendo protegida legalmente desde 2003 como Estação Ecológica Estadual de Sagarana, com 2.340,00 hectares.

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Memória do I Seminário Territorial de Cultura e Turismo Ecocultural do Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu


Reunidos em Januária, ao longo dos dias 25 e 26 de setembro, agentes sociais, gestores públicos, organizações não governamentais, comunidades e militantes da Cultura debateram estratégias de desenvolvimento por meio da Cultura, Meio Ambiente e Turismo Ecocultural. 

O I Seminário Territorial de Cultura e Turismo Ecocultural contou com participantes e temas muito especiais. Abaixo uma breve síntese dos temas debatidos pelos convidados.
Cesar Victor do Espírito (Fundação Pró-Natureza): Mosaicos de Áreas Protegidas e a política de gestão integrada. Falou sobre o processo de construção e reconhecimento do Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu.
Grupos de trabalho do Curso de Condutores Ambientais do Mosaico Sertão Veredas - Peruaçu sob a coordenação de Hebert Canela, Cássio Alexandre e Thiago (Radical Adventure). Foram apresentados 5 trabalhos que permitiram compreensão maior sobre o território e suas riquezas, conflitos e pontos vitais.
Seu Ilário Xackiabá que nos ofertou com a história do povo Xackiabá e da importância da Cultura como força de resistência. Reivindicou por espaços que fruam essas histórias e que o seu significado seja sementeado. 
Makely Ká, músico e integrante do Núcleo Executivo do Plano Estadual de Cultura que em sua fala provocou o olhar dos moradores do Sertão Gerais a entender que olhar a capital das Minas tem para com o Gerais e, em especial, apresentou o momento que estamos vivendo e o espaço de consulta do Plano Estadual de Cultura. 
O professor Almir Paraca apresentou reflexões sobre a obra de Guimarães Rosa em que a força e o poder do nome tem seu destaque. Os desdobramentos que a região do noroeste de Minas Gerais vem trabalhando. Por fim, fez um chamamento para pensarmos o Grande Sertão Veredas de G.Rosa nessa militância. 



Mestre João Damasceno, com sua luta que se torna nossa quando provoca a platéia a refletir a tradição. A história do Terno dos Temerosos e a transmissão dos saberes pelos jovens. 

Pedro Domingues, representante do MinC, debateu sobre a Lei Cultura Viva numa leitura atenta sob o ponto de vista do Estado. Realizou leitura da lei e abriu escuta sensível aos participantes. Apresentou os desafios e a relevância da sanção por meio de sua regulamentação.

Aline Aline Cantia compartilhou memória e vivências. Nos ofertou com uma fala sobre Pontos de Memória (IBRAM) e as múltiplas formas de pensar a oralidade e seu poder de transformação. A urgência da Rede de Pontos de Memória em Minas Gerais.

Joel Xakriabá representou os Pontos de Cultura do Norte de Minas Gerais. Apresentou sua experiência por meio dos desafios e avanços de ser Ponto de Cultura, hoje.
Por fim, encerramos com o ciclo de diálogos que contou com a experiência de Jean Marconi na Rede Slow Food Cerrado abarcando temas como biodiversidade, cultura e saúde. Iniciou-se, naquele momento, a discussão para formação de um grupo do Slow na região.

Seu Nicolau Xackiabá e o projeto da Casa da Semente na aldeia como forte parceiro para projetos que contribuam com a segurança alimentar.
Irene Gomes Guedes debatendo a partir do olhar dos Circuitos Turísticos Urucuia Grande Sertão e Velho Chico. E, como debates como esse e seus encaminhamentos podem fortalecer a elaboração do Plano de Trabalho de ambos os circuitos.

Makely contribui no sentido de pensar a obra do Grande Sertão Veredas e o circuito de encontros rosianos. E o seu olhar a partir do projeto que realizou por meio da travessia sobre rodas (bicicleta), inspiração de seu disco Cavalo Motor. Afirmou que aqui no norte de Minas é que está à alma sertaneja, a alma do povo mineiro.

Encaminhamentos:

1. Realizar, na primeira semana de dezembro, em Sagarana (Arinos), encontro para constituição da Rede de Pontos de Memória do Sertão Nortemineiro ;
2. Solicitar aos Circuitos Turísticos Urucuia Grande Sertão e Velho Chico para realização de atividade conjunta pensando o Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu e os Encontros e Festivais de Cultura do território.
3. Solicitar ao Ministério da Cultura e Secretaria de Estado de Cultura para abertura de edital de Prêmio para Pontos de Leitura que incentivam/trabalhem com a obra de Guimarães Rosa.
4. Propor o  reconhecimento e firmamento do calendário ecocultural da Rede Encontros e Festivais Rosianos

Nossos agradecimentos: A todos os cursistas do Curso de Condutores Ambientais do projeto Turismo Ecocultural de Base Comunitária no Mosaico, Prefeitura de Januária, SESC Laces, Mosaico Sertão Veredas Peruaçu, Fundo Socioambiental da CAIXA, Fundo Nacional do Meio Ambiente, Ministério da Cultura, Centro de Artesanato, Ponto de Cultura Seu Duchim, Ponto de Cultura Loas Xackiabá, Funatura, WWF, Aos companheiros do Centro de Artesanato e da Rua de Baixo, Terno dos Temerosos.

---
Projeto Turismo Ecocultural no Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu
Realização: Instituto Rosa e Sertão
Parceria: Fundo Nacional do Meio Ambiente
Apoiado financeiramente: Fundo Socioambiental da CAIXA

Galeria de imagens: Fotos: Paulo Marinho.





      Grupos de Trabalho do Curso de Condutores Ambientais do Mosaico SVP










Grupos de Trabalho do Curso de Condutores Ambientais no Mosaico SVP





Professor Cássio Alexandre

Equipe do projeto TBC Mosaico e Funatura


Mestre João Damasceno e Almir Paraca











Chegança com Ponto de Cultura Seu Duchim

Erica Sakaya apresentando síntese do dia

Povo Xackiabá


Liderança Xackiabá: Seu Ilário



Aline Cântia: Pontos de Memória
Pedro Domingues apresenta Lei Cultura Viva e abre para escuta.
Músico Makely Ká

Aline Cântia, Pedro Domingues, Joel Xackiabá e Makely Ká: Lei Cultura Viva e Plano Estadual de Cultura

Damiana Campos: Ciclo de diálogos IV




terça-feira, 23 de setembro de 2014

I Seminário Territorial de Cultura e Turismo Ecocultural de Base Comunitária do Mosaico Sertão Veredas -Peruaçu


Projeto Turismo Ecocultural no Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu
Instituto Rosa e Sertão/FNMA/FSA CAIXA

I Seminário Territorial de Cultura e Turismo Ecocultural de Base Comunitária/2014

25 de setembro 

14h00 Abertura do Seminário: Boas vindas.

Ciclo de diálogos I: Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu: estratégia de gestão integrada

Convidados: Evandro (Presidente do Conselho do Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu) e Cesar Victor do Espírito Santo (Fundação Pró-Natureza) 

14h40 Apresentação dos trabalhos finais da turma do Curso Condutores Ambientais (Projeto Turismo Ecocultural de Base Comunitária no Mosaico – FNMA/FSA CAIXA)

Mediação: Radical Adventure e Instituto Rosa e Sertão

19h00 Ciclo de diálogos II: Territórios de Cultura: Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu e suas dimensões.

Convidados: Almir Paraca (Professor e pesquisador da obra de Guimarães Rosa) e Mestre João Damasceno (Historiador e mestre do Terno dos Temerosos).

Mediação: Ponto de Cultura Seu Duchim

20h00 Encontros e poesia

26 de setembro

8h30 Chegança com Terno dos Temerosos e exposição dos Pontos de Cultura do Norte de Minas Gerais.

9h00 Ciclo de diálogos III: Lei Cultura Viva: avanços e desafios na construção de uma política de cultura de base comunitária

Convidados: Pedro Domingues (SCDC/Ministério da Cultura) e Makely Ká (Núcleo Executivo do Plano Estadual de Cultura)

Mediação: Damiana Campos (Comissão Estadual de Pontos de Cultura/Rosa e Sertão).

11h00: Debate

12h00 Intervalo

14h00 Ciclo de diálogos IV “Rede de Encontros e Festivais de Cultura: Sertão, Gerais e Cerrado: proposta compartilhada”.
Convidados: Makely Ká (Cooperativa de Música de Minas Gerais); Jean Marconi (Slow Food Cerrado).
Debatedores: Instituto Rosa e Sertão, Circuito Urucuia Grande Sertão e Circuito Velho Chico.
16h00 Café com prosa

17h00 – Leitura da Carta de Encaminhamentos.


Encontros, música e poesia

---
Realização: Instituto Rosa e Sertão
Financiador: Fundo Socioambiental da Caixa
Parceria: Fundo Nacional do Meio Ambiente
Parceiros do projeto: Conselho do Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu, Prefeituras municipais de: São João das Missões, Itacarambi, Cônego Marinho, Chapada Gaúcha, Cocos-BA, Formoso, Urucuia, Arinos, Manga e Bonito de Minas.
Apoiadores da ação: Prefeitura Municipal de Januária, SEBRAE, SESC LACES, WWF - Brasil, Fundação Pró-Natureza

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

CARTA DO VII ENCONTRO BONITO/GO DE CULTURAS POPULARES





CARTA DO VII ENCONTRO BONITO/GO DE CULTURAS POPULARES

"Os encontros que a gente vem são muito importantes. Lá na minha região, se não tivesse os encontros não teria mais Cultura. A Cultura é como cultura da planta que tem que molhar e tratar a terra, cuidando dela. O Encontro de Cultura é como essa cultura, aqui a gente encontra o amigo, a gente aprende e fortalece". Mestre Antônio Maria (Arinos/MG)

Nós festeiros e festeiras, mestras e mestres das culturas populares, produtores e agentes culturais e membros das redes dos Encontros de Bonito-GO de Culturas Populares (Formosa/GO), Encontro dos Povos do Grande Sertão Veredas (Chapada Gaúcha/MG), Feito Rosa para o Sertão (Sagarana, Arinos/MG), Encontro de Folias de Reis do DF (Brasília/DF), Feira do Troca (Olhos D’Água, Alexânia/GO), Encontro dos Mestres do Mundo (Ceará), Pastoral dos Foliões (Formosa/GO), Festival Invenção Brasileira de Cultura Popular (Taguatinga/DF) e Encontro de Culturas Populares e Tradicionais, reunidos nos dias 05, 06 e 07 de setembro de 2014, vimos afirmar o conceito de Encontros de Cultura de Base Comunitária e seu poder de proteção, promoção, transmissão, continuidade e valorização das Culturas Tradicionais e do Cerrado. Afirmar, também, como espaços de trocas de palavras que têm como base a oralidade na produção e transmissão do conhecimento; espaços de encontro com o outro e consigo mesmo para o fortalecimento dos laços de vizinhança, solidariedade e reciprocidade; e, espaços de aprendizado mútuo, cuja concepção e produção têm sua base na organização e produção comunitárias.

Nesse sentido, propõe-se que seja encaminhada ao Ministério da Cultura, às Secretarias Estaduais e Municipais de Cultura e órgãos afins, a urgência da criação de linhas de financiamento que garantam a sustentabilidade dos Encontros e Festivais de Cultura Popular dessa natureza. Que os Encontros de Cultura de Base Comunitária sejam contemplados pela Lei Cultura Viva enquanto pontos pulsantes de cultura. Que o Congresso Nacional e o Ministério da Cultura encaminhem com urgência o processo de aprovação e regulamentação da Lei de Mestres, em cumprimento às metas do Plano Nacional de Cultura referentes a este tema estratégico para a construção de nossa identidade e diversidade.

Por nossa própria iniciativa e recursos, continuamos aqui um processo permanente de integração e de trocas entre estes encontros, festivais e outras ações, que garanta maior autonomia e sustentabilidade, que intensifiquem as trocas e promovam maior sinergia entre nós. Iniciamos aqui o processo de articulação da Rede de Festeiras e Festeiros de Encontros de Culturas do Cerrado.

Bonito, Bezerra, Formosa/GO, 7 de setembro de 2014.

Almir Paraca e Seu Antônio Maria – Feito Rosa para o Sertão (Sagarana, Arinos/MG);
Ariely Antunes – Encontro de Folias de Reis (São Francisco MG);
Chico Simões – Festival Invenção Brasileira de Cultura Popular (Taguatinga/DF);
Daiana Sousa Campos e Diana Campos– Ponto de Cultura Seu Duchim/Instituto Rosa e Sertão (Chapada Gaúcha – MG);
Damiana Campos - Encontro dos Povos do Grande Sertão Veredas (Chapada Gaúcha/MG);
Domicio Chaves – Grupo Mutação Muita Ação (Samambaia – DF);
Dona Elpídia e Dona Vera Couto - Pastoral dos Foliões (Bonito – GO);
Everardo de Aguiar Lopes – Casa das Redes (DF);
George Diab e Terezinha Almeida - Encontro do Bonito-GO de Culturas Populares/GO);
Geraldo Toledo – Associação Cultural Ciartcum (Taguatinga – DF);
Juraci Moura Matos – Platinelas (Taguatinga/DF);
Kamilla Farias de Melo – Sacizal dos Pererês (Vicente Pires – DF);
Luiz Felipe Vitelli Peixoto – Ponto de Cultura Tribo das Artes (Taguatinga – DF);
Marcelo Manzatti (Encontro das Culturas Populares e Tradicionais);
Maria Abadia Teixeira de Jesus – Casa dos Movimentos/Banco Comunitária (Estrutura – DF)
Martinha do Coco (Paranoa – DF); Cleudes Pessoa – Casa Viva (Paranoa – DF);
Mestre Pena Clara – Associação de Capoeira Pavão de Angola (Formosa – GO);
Patrícia Ferreira – Rede de Economia Solidária e Feminista (Taguatinga - DF);
Professor Armando Faria - Feira do Troca (Olhos D’Água, Alexânia/GO);
Reginaldo da Silva Batista – Orquestra Caipira Alma Sertaneja (Acreúna – GO);
Ruyter Fernandes Barbosa – Cineclube 7ª Arte (Acreuna – GO);
Simone Castro – Encontro de Mestres do Mundo (Ceará);
Tereza Padilha – Ponto de Cultura Associação Artística Mapati (DF);
Volmi Batista – Encontro de Folias de Reis do DF (DF);
Walter Cedro – Mamulengo Sem Fronteiras (Taguatinga – DF);

Wilson Quintaneiro – Casa do Poeta de Formosa (Goiás); 

I Seminário Territorial de Cultura e Turismo Ecocultural do Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu







Projeto Turismo Ecocultural de Base Comunitária no Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu

CONVITE
I Seminário Territorial de Cultura e Turismo Ecocultural de Base Comunitária
Eixos: Cultura, Meio Ambiente e Economia Solidária.



Desde 2011, o Instituto Rosa e Sertão, em parceria com o Fundo Nacional de Meio Ambiente (FNMA), apoiado financeiramente pelo Fundo Socioambiental da Caixa Econômica (FSA CAIXA) e parceiros, realiza o projeto “Turismo Ecocultural de Base Comunitária no Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu” cujo objetivo é fomentar processos e espaços de formação, capacitação, trocas de saberes e intercâmbios conjuntamente com agentes sociais e comunidades da margem esquerda do rio São Francisco, no Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu[i]. Suas ações são parte do Plano de Desenvolvimento de Base Conservacionista no Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu[ii] construído por mais de 100 atores do território, sob a coordenação da Fundação Pró-Natureza - Funatura.
      Iniciamos, nesse momento, a terceira e última fase do projeto com intuito de fortalecer as redes de culturas e as iniciativas de turismo ecocultural de base comunitária a partir do diálogo entre as políticas de Cultura, Meio Ambiente e Desenvolvimento Rural. Como primeiro passo, trazemos a importância da promoção de ciclos de diálogos para compartilhar, celebrar parcerias e possibilitar novas ações territoriais. Também, constituir espaços de construção de conceitos que agregam dimensões culturais a esse processo, tais como: solidariedade, hospitalidade e comensalidade.
      Nesse sentido, convidamos vossa senhoria para participar do I Seminário Territorial de Cultura e Turismo Ecocultural de Base Comunitária do Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu a ser realizado entre os dias 25 e 26 de setembro de 2014, na cidade de Januária – MG. Contaremos com a participação de agentes culturais, gestores públicos dos 11 municípios do Mosaico, e integrantes da Rede do Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu. Vislumbramos com a programação construída possibilitar um espaço de trocas e informação que fortaleça as experiências já existentes no território.
Sejam tod@s bem vind@s!

Equipe do projeto Turismo Ecocultural de Base Comunitária no Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu
Instituto Rosa & Sertão


Programação

25/09/2014

Abertura do Seminário

14h00 Mesa de boas vindas: “O Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu: projetos e processos de desenvolvimento e sustentabilidade”.

14h30 Apresentação dos grupos de trabalho do Curso “Formação de Condutores Ambientais” do projeto Turismo Ecocultural de Base Comunitária no Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu (Instituto Rosa e Sertão e Radical Adventure).

19h00  Mesa: “Turismo Ecocultural de Base Comunitária e Desenvolvimento Territorial: da comida, hospitalidade e troca de saberes”.

20h00 – Encontros: roda de poesia e música

26/09/2014

9h00 – Ciclo de diálogos: “Lei Cultura Viva: reconhecimento, ações e projeto de Cultura de Base Comunitária”.

14h00 – Ciclo de diálogos: “Rede de Encontros e Festivais de Cultura: Sertão, Gerais e Cultura”. Possibilidades de diálogos entre os agentes culturais, produtores culturais, redes e os Circuitos Turísticos Urucuia Grande Sertão; Velho Chico e Guimarães Rosa.

16h00 – Merenda

16h30 Ciclo de diálogos: “Monumento Natural e Paisagem Cultural: desafios para o reconhecimento e proteção dos sítios arqueológicos, veredas e cavernas do Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu”.


18h30 Encerramento com roda de poesia, música e leitura da Carta do Seminário.





[i] O Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu (MSVP) faz parte da política de gestão integrada de Mosaicos de Áreas Protegidas, do Ministério de Meio Ambiente. Está localizado no Estado de Minas Gerais e em uma pequena parte na Bahia. Tem por objetivo gestão integrada de áreas protegidas nos biomas Cerrado e Caatinga. O MSVP foi oficialmente reconhecido por meio da Portaria MMA nº128 de 24 de abril de 2009, abrangendo 11 municípios e 11 Unidades de Conservação (UC). A soma da área é de 1.893.334,69 hectares, sendo 1.148.055,00 hectares referentes às Unidades de Conservação. Foram incorporadas ao Território 3 Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPN’s), as Terras Indígenas Xackriabá (São João Das Missões – MG) e o Quilombo do São Félix (Chapada Gaúcha – MG), que não constam na Portaria. A proposta do MSVP teve como princípio o diálogo entre as UCs e os povos tradicionais sertanejos, ribeirinhos, indígenas, quilombolas, veredeiros e vazanteiros. Desde sua concepção, a presença de entidades de cunho cultural e socioambiental tencionou a discussão para que a proposta de desenvolvimento levasse em consideração a sociobiodiversidade.
[ii] O Plano de Desenvolvimento de Base Conservacionista teve como objetivo promover o desenvolvimento da região em bases susten­táveis e integrado ao manejo das unidades de conservação e demais áreas protegidas do Mosaico Sertão Veredas – Pe­ruaçu. Com a duração prevista para execução de 5 anos está dividido em três grandes linhas de atuação: Extrativismo Sustentável, Turismo Ecocultural e Gestão Integrada das Áreas Protegidas (FUNATURA: 2008).