quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Circuito de Natal Manuelzinho-da-Crôa 2010

Manuelzinho-da-Crôa através do Ponto de Cultura Seu Duchim: Espaço Geral de Folias animará as ruas de Chapada Gaúcha com musicas natalinas de Folia de Reis.

A partir do dia 12 de dezembro o grupo de 50 crianças e adolescentes levará alegria e muita música aos moradores dos bairros da sede do município com objetivo de apresentar as ações realizadas pelo grupo ao longo do ano de 2010.

O Manuelzinho tornou-se Ponto de Cultura em julho de 2010. Coordenado pelas musicistas Daiana e Diana Campos o grupo alegrará a semana com músicas de Folia de Reis e de artistas da MPB como: Cálix Bento; Festa de Santos Reis e outras.

Circuito de Apresentações:

11/12- Rádio Comunitária - Programa Prosa e Sertão
13/12 - Rua Açucena
14/12- Rua Serra das Araras
20/12- Av. Rio Grande do Sul
21/12- Av. Minas Gerais
22/12- Presépio da Praça Central

Folia e Foliões e seus Instrumentos Musicais em exposição no Grande Sertão

No dia 4 de dezembro o grupo Folia e Foliões e seus Instrumentos Musicais realizou apresentação e exposição em Chapada Gaúcha/MG. O grupo é composto por foliões da cidade de São Francisco/MG coordenado pelo produtor Raposo. Com seus instrumentos alegram o circuito das Gerais com  cânticos de Santos Reis, Lundu e Catira.

O projeto tem por objetivo circular pelas cidades norte-mineiras da margem esquerda e direita do Rio São Francisco encantando e levando a cultura dos Reis aos sertanejos e visitantes. Os principais objetivos desta exposição são: a interação com outros foliões dos municípios que recebem a exposição, a troca de experiência e o fortalecimento desta tradição.

Em visita pelo município de Chapada Gaúcha o grupo Folia e Foliões agradeceu o apoio da Prefeitura Municipal e das entidades que apoiaram este circuito, dentre estas,  o Instituto Rosa e Sertão. Após exposição na praça central os foliões foram convidados para continuar a folia na casa da festeira D. Vera e de seu esposo Seu Manoel que receberam com comida, bebida e festa o grupo de sua terra natal.

O projeto Folias e Foliões é patrocinado pela Natura fará este circuito por mais 6 meses!
Em breve mais um roteiro de apresentações.

Fotos:

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Você já visitou um Parque Nacional?

Artigo publicado no Correio Braziliense - Sábado, Seção Opinião - 20 de novembro de 2010.


Cesar Victor do Espírito Santo
Engenheiro Florestal
Superintendente Executivo da
FUNATURA – Fundação Pró-Natureza

Certamente a resposta para a maioria dos brasileiros será não. Mas, porque isso ocorre no País que tem o maior patrimônio natural do planeta Terra? Será que todo esse patrimônio não tem valor? Ou será que o povo brasileiro ignora esse valor?

Fico com a segunda opção, pois se o povo soubesse o valor desse patrimônio, não deixaria os parques nacionais e as demais unidades que compõem o sistema nacional de unidades de conservação no estado de descuido em que se encontram, com exceções, é claro. A forma mais eficaz de preservar o patrimônio natural de um país é através das unidades de conservação.

Aqui no DF, por exemplo, se perguntarmos quem já visitou o Parque Nacional de Brasília, excluindo a Água Mineral, vamos chegar a uma parcela ínfima da população. Isso considerando que esse Parque é uma exceção, ou seja, além de bem estruturado, possui um quadro de pessoal representativo e, dentre outras ações, desenvolve a longo tempo um trabalho de educação ambiental que possibilita que alunos da rede escolar visitem o Parque.

Alguém ajuda a proteger com amor aquilo que não conhece? Difícil. Em geral, as pessoas tendem a dar valor e a proteger somente aquilo que conhecem. Enquanto não houver políticas públicas que proporcionem que o povo tenha a oportunidade de visitar os parques nacionais e outras unidades, a sociedade brasileira não vai reconhecer o devido valor do patrimônio natural que possui.

Por não conhecer esse valor, a sociedade não pressiona o poder público a garantir recursos orçamentários muito mais representativos do que o que vem ocorrendo até hoje. Para receber visitantes, é imprescindível que a unidade esteja com a sua situação fundiária regularizada, ou seja, que tenham sido indenizadas as propriedades privadas (terras e benfeitorias) ou, pelo menos, a maior parte, especialmente as áreas previstas para visitação.

As mais de 300 unidades de conservação federais existentes no Brasil somam cerca de 74 milhões de hectares, área maior do que a superfície de 80% dos países do mundo. O problema é que as unidades são criadas, mas não implementadas e a posse efetiva dos territórios ainda está, na sua maior parte, com a iniciativa privada. Enquanto não forem indenizados, a atuação do ICMBio estará bastante limitada, não garantindo de fato a sua proteção e a possibilidade de proporcionar ao povo brasileiro um contato com a natureza.

Custa caro a implementação dessas unidades? As unidades que necessitam ser desapropriadas perfazem uma área aproximada de 64 milhões de hectares. Destes, parte já foi desapropriada, parte levará tempo para se definir legalmente os proprietários a fim de indenizá-los e, a maior parte, ainda precisa ser regularizada. Supondo que o governo federal necessite indenizar 34 milhões de hectares e que, na média, um hectare custe cerca de 600 reais, serão necessários pouco mais de 20 bilhões de reais.

Esta quantia é muito dinheiro? Depende. Para proteger o maior patrimônio natural do planeta, não, trata-se de uma quantia modesta. Sabe-se que o valor dos serviços ambientais (água, oxigênio, clima agradável, biodiversidade, controle biológico de pragas e doenças, dentre outros) prestados pelos ecossistemas naturais é muito elevado e, considerando o Brasil em sua totalidade, o valor é muitas vezes maior que os 20 bilhões citados. Esse valor é menor, por exemplo, que os 33 bilhões previstos para a construção de uma das obras do PAC, o trem–bala, que ligará o Rio a São Paulo. É questão de prioridade.

Além da questão fundiária, é recorrente a falta de pessoal e de estrutura física. Os poucos funcionários existentes em cada unidade responsabilizam-se por uma agenda muito além das suas possibilidades. A necessária integração com as comunidades locais, com as prefeituras municipais, com a iniciativa privada, com a sociedade civil acontece de maneira muito tímida.

As oportunidades de geração de emprego e renda se perdem. O ecoturismo seria uma importante fonte de ingresso para os municípios com unidades de conservação em seu território. Isso aliado à valorização da cultura tradicional dos povos que vivem nessas regiões, ao aproveitamento sustentável de produtos da biodiversidade, dentre outros aspectos.

Se investir cerca de 6 bilhões anuais (85 % para indenizações e 15% para o funcionamento da estrutura de gestão das unidades), o governo Dilma fará o que nunca foi feito antes na história desse País, ou seja, a proteção efetiva da biodiversidade mais rica do planeta em benefício das atuais e futuras gerações de brasileiros e, porque não dizer, de toda a humanidade.

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Seminário: Políticas Públicas e Mercados para Produtos Comunitários do Cerrado em Brasilia - DF

REDE CERRADO CONVIDA:

Programação

17 de novembro – quarta-feira (manhã)

Abertura da oficina

Boas vindas

Apresentação da programação e participantes
Análise de conjuntura sobre produção e mercado para produção agroextrativista

Luis Carrazza (Central do Cerrado) e Laércio Meireles (Cooperativa Sem Fronteiras)

Debate sobre conjuntura dos mercados apropriados para produtos da sociobiodiversidade
17 de novembro – quarta-feira (tarde)

Mercado Institucional

Avaliação mercado institucional público - Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE)
Apresentação Grande Sertão com PAA
Apresentação FASE/ARPA com PAA
Apresentação experiência UNICAFES com PNAE
Debate: Avanços e desafios do mercado institucional
Representantes da CONAB , FNDE e Secretaria de Educação do GDF

 
Trabalho de Grupo – Mercado Institucional

Recomendações da Rede Cerrado para continuidade/aprimoramento dos programas de acesso aos mercados institucional
Plenária para apresentação e debate dos resultados trabalhos de grupo

18 de novembro – quinta-feira (manhã)

Estratégias apropriadas de mercados para comunidades
Experiência mercado local venda direta
Apresentação da ARPA (MT)
Experiência de comercialização no mercado nacional e internacional
Apresentação da ASSEMA (COOPALJ/COOPAESP)

Comércio Justo - Oportunidades e desafios

Apresentação da Cooperativa Sem Fronteiras
Ferrramentas para planejamento e comercialização da produção
Apresentação da Central do Cerrado

Debate

Acesso a mercados diferenciados
Panorama sobre certificação orgânico e comércio justo
18 de novembro – quinta-feira (tarde)

Oportunidades de integração produtiva para obtenção de escala para mercados diferenciados
Central do Cerrado
Corredor do extrativismo
Núcleo do pequi
Arranjo do babaçu
Arranjo mel CSF
CSF
Plenária de encerramento e avaliação


19 de novembro – sexta-feira (manhã)
Reunião do Núcleo de Agroecologia do Cerrado - NACE
SOMENTE PARA ORGANIZAÇÕES INTEGRANTES DO NACE
19 de novembro – sexta-feira (tarde)
Reunião Projeto APLs do Cerrado/A Casa Verde
SOMENTE PARA ORGANIZAÇÕES QUE PARTICIPAM DO PROJETO APLS DO CERRADO
20 de novembro – sábado (manhã)
Reunião da Central do Cerrado
SOMENTE PARA ORGANIZAÇÕES QUE PARTICIPAM DA CENTRAL DO CERRADO
20 de novembro – sábado (tarde)
Reunião do Conselho Administrativo da Central do Cerrado
Reunião do Conselho Fiscal da Central do Cerrado

I Encontro da Rede de Mosaicos do Brasil



PRIMEIRA REUNIAO DA REDE DE MOSAICOS DO BRASIL

18 DE NOVEMBRO DE 2010

Participantes :

- Tatiana Rehder, MMA-SBF

- Fernando Lima, MMA-SBF-DAP

- Thiago Mota Cardoso, IPE – Mosaico Baixo Rio Negro

- Jean-François Timmers, Flora Brasil – Mosaico Extremo Sul da Bahia

- Ana Flavia Zingra, ICMBio – Mosaico Baixo Rio Negro

- Breno Herrera, ICMBio – Mosaico Central Fluminense

- Maria Auxiliadora Cardoso, Municipio de Itabira - Mosaico de Itabira

- Cesar Victor de Espirito Santo, Funatura - Mosaico Sertao-Veredas Peruaçu

- Ronaldo Magalhaes, IEF Minas Gerais – DAP

- Caroline Jeanne Delelis, CDS UnB – cooperaçao Brasil-França

Lugar : MMA – SEPN 505 - Lote2, Edifício Marie Prendi Cruz
Contato : Caroline J. Delelis (61 8110 1082 / 61 8157 3400) ou Tatiana Rehder (61 20282008).

Horario : 9h – 18h

Pauta indicativa

1/ INFORMES :

- Lançamento do livro e Comemoraçao dos 10 anos do SNUC

- Difusao feita na França - Lista de difusao no Brasil – Lançamento nos Estados

- Selo / Marca de mosaicos de AP

- Portaria sobre mosaicos

- Termo de cooperaçao FNMA – Caixa Econômica

- Balanço dos projetos de mosaicos no Brasil

2/ ORGANIZACAO E FORTALECIMENTO DA REDE

- Objetivo / agenda / plano de trabalho
- Metas até o fim da cooperaçao França-Brasil – Junho 2011 (capacitaçao – site internet : primeira proposta de site)
- Organizaçao / Funcionamento : secretaria executiva, recursos da rede.

Para saber mais sobre Mosaico de Unidade de Conservação acesse:

sábado, 6 de novembro de 2010

Brigada Municipal do PREVFOGO faz a diferença no município de Chapada Gaúcha

A Superintendência do Ibama/MG, por meio do Escritório Regional de Montes Claros, tem dado todo o apoio necessário ao Prevfogo/Ibama para a implementação de brigadas de combate a incêndios em parceria com diversos municípios mineiros. Os primeiros cursos neste ano para a formação de brigadistas aconteceram nos municípios de Itacarambi e São João das Missões de 09 a 13 de agosto, e nos municípios de Chapada Gaúcha e Januária de 16 a 20( Assessoria de impresa do IBAMA).
 
A cidade de Chapada Gaúcha - MG - já conta com sua Brigada Municipal.Com o combate aos incêndios em áreas do entorno do Parque Nacional Grande Sertão Veredas, Parque Estadual Serra das Araras e comunidades;

Conta com o apoio de 15 integrantes, sendo 2 Chefes de Esquadrão e um chefe de Brigada. Além do combate ao fogo a Brigada Municipal de Chapada Gaúcha tem em seu plano de trabalho com ações de:  Educação Ambiental nas escolas, revitalização do Rio Feio ( distrito de Serra das Araras), coleta de sementes nativas e produção de mudas para  o viveiro municipal - construído em 2005 pela Brigada do IBAMA, sob coordenação de Kolbe Soares - chefe do PARNA GSV - na ocasião.

A inciativa do IBAMA na implantação de brigadas em parcerias com as prefeituras municipais do Norte de Minas veio mostrar a importância do trabalho interdisciplinar com prevenção e combate ao fogo ligado a ações socioambientais no entorno das Unidades de Conservação. Além da diminuição de ocorrências de incêndio pode ser mensurado positivamente o trabalho sociambiental, Educação Ambiental e Geração de Renda. Estes pontos devem ser levados em consideração como fatores importantes na avaliação que resultará  continuidade ou não do programa.
Registro fotográfico da Briagada Municipal de Chapada Gaúcha.

 Brigada Municipal de Chapada Gaúcha
 Educação Ambiental nas escolas - Coleta de saquinhos de leite para produção de mudas e apresentação do programa PREVFOGO.
Limpeza do Rio Feio - Distrito de Serra das Araras

Revitalização do Rio
 Lixo recolhido no rio Feio e Rio Catarina - Distrito de Serra das Araras

O Instituto Rosa e Sertão é parceiro da Brigada. No dia 28 de outubro realizou trabalho de Educação Ambiental  com os alunos da Escola Municipal Santa Terezinha - comunidade Buraquinhos -. Através desta iniciativa foram coletadas cerca de 300 sementes nativas do Cerrado. Com esta primeira ação  foi celebrado um pacto com a comunidade de realizar o plantio destas mudas, com a  parceria com a Brigada, em dezembro e janeiro de 2011.

Outro ponto que merece a atenção para o trabalho em parceria na Unidade de Conservação ( UC ) e seu entorno é o papel dos Conselhos Consultivos das Unidades - ferramenta necessária  para uma boa gestão. Infelizmente alguns conselhos de UCs não atuam de forma esperada impedindo que a sociedade civil intervenha e contribua neste processo tão importante de preservação e interação com o Cerrado. Esta ação deve ser repensada pelas instituições gestoras como ICMbio - Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade.

Onde você encontra a Brigada:
Viveiro Municipal de Chapada Gáucha.

Pontos de Apoio: Secretaria Municipal de Meio Ambiente - Av. Idearte de Souza, Centro
Casa da Funatura - Avenida Grande Sertão Veredas

VIVA O CERRADO EM PÉ!

Fontes e Créditos:
 http://www.mma.gov.br/
Fotos Brigada Municipal de Chapada Gaúcha

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Festa da comunidade dos Quimlobola " Retiro dos Bois"


Um gostinho de quero mais da festa em comemoração a volta da matriarca Lorença Borges a comunidade Retiro dos Bois!



 Dona Lorença cantando o Manzuá

"Oiê Cadê o Manzuá?
Oiê ele aqui
Oiê Cadê o Manzuá?
Oiê ele aqui".


 Tatiane - Arca das Letras caindo na dança
Anatéia - Arca das Letras  - e o grupo Manzuá

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

I Seminário de Desenvolvimento Solidário - Associação Mãe Ana e Rosa e Sertão

Este encontro marcará a região da Barra do Pequi. Com debates e encaminhamentos o seminário propiciará um momento de troca de experiência e ações concretas para o desenvolvimento sustentável e solidário para os moradores das comunidades de: Barra do Pequi, São Félix, Vereda D'Anta, Barreiro Novo e Pequi.

O Instituto Rosa e Sertão realizou em 2008 a primeira edição deste encontro e agora temos a honra de seguir nesta parceria.

Segue abaixo programação:
I Seminário sobre Desenvolvimento Sustentável Solidário

II Encontro de Parceiros

Associação Comunitária Mãe Ana

Comunidade de Barra do Pequi

Chapada Gaúcha - MG

PROGRAMAÇÃO


22 de Outubro de 2010 – Sexta-feira


8:00 – Missa (Pe. Vanderlei)

9:00 – Lanche
9:30 – Abertura (Lourdes e Mundinho)

9:50 – Composição da mesa

10:00 – Mesa 01: Programas que contribuem para o Desenvolvimento Sustentável (20 minutos para cada palestrante).

 Ações de Desenvolvimento Sustentável em Chapada Gaúcha (Prefeito Mundinho).

 Programa Luz para Todos (Ministério Minas e Energia – Brasília - DF).

 Programa Inclusão Digital (Ministério das Comunicações – Brasília - DF).

 Projeto Arca das Letras (Furnas Centrais Elétricas de MG e RJ).

 Programa de Captação de Água de Chuva (Fundação Banco do Brasil).

 Alternativas de Convivência com Semiárido (Articulação do Semiárido Brasileiro).

12:00 – Debate

13:00 – Almoço

14:00 – Trabalho em grupo – (Nilson – RECID).

1º - Identificar as potencialidades das comunidades e do município.

2º - Identificar os problemas a serem superados.

3º - Apresentar quais as estratégias de superação dos problemas.

15:00 – Plenária e sistematização do trabalho em grupo (Nilson – Rede de Educação Cidadã).

16:00 – Solenidade de Inauguração Centro Multiuso


23 de Outubro de 2010 – Sábado

7:00 – Café

8:00 – Motivação para início dos trabalhos.

08:30 – Mesa 02: Ações que potencializam a Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável (20 minutos para cada palestrante).

 Projetos de Geração de Renda (Contadoria Cidadã de Brasília - DF).

 Ações realizadas no município e perspectivas futuras (Cáritas Diocesana de Januária).

 Beneficiamento dos Frutos do Cerrado (Cooperativa Sertão Veredas).

 Segurança e Soberania Alimentar Nutricional e PNAE (Gildásio Santos - Consea/MG).

10:00 – Lanche

10:20 – Debate

1º - Identificar as potencialidades das comunidades e do município.

2º - Identificar os problemas a serem superados.

3º - Apresentar quais as estratégias de superação dos problemas.

12:00 – Almoço

13:00 – Mesa 03 - Perspectivas e ações voltadas para sustentabilidade.

 Programa Bolsa Verde: ações para preservação (Instituto Estadual de Florestas – Serra das Araras e Instituto Rosa e Sertão).

 Ações de Fortalecimento do Projeto Mosaico (FUNATURA e Instituto Rosa e Sertão).

 II Encontro de Agentes de Leitura do Programa Arca das Letras de Chapada Gaúcha/MG (Instituto Rosa e Sertão)

Encaminhamentos:

1º - Levantamento das propriedades com reserva legal.

2º - Levantamento de propostas para construção do projeto para FNMA/2010

3º Oficina de construção do projeto pedagógico da arca das letras.









 Apoio: 

domingo, 10 de outubro de 2010

Eucalipto

Poço Verde (Januária, 2010)
“O que eu posso falar é que o plantio de eucalipto deu prejuízo para nós todos da região, principalmente, começando pelas águas. Porque eu conheci Poço Verde, eu era morador lá nessa época, cheio, que morreu até gente afogada lá dentro do Poço, e hoje ele se acha seco por causa dos carreadores da empresa, e o desmate que fez, que acabou com a água. E hoje que Deus está tornando a refletir de novo, que já tem broto de pequi que está produzindo, eles estão querendo acabar com o resto”. (J., 67 anos, Comunidade do Cajueiro) "Assim que eles começaram, aqui no Poço ainda tinha bastante água. Chegou a ponto de morrer gente aí tomando banho afogado; veio o Corpo de Bombeiros de Montes Claros, chegou aí; entraram no Poço. Nesse tempo nós achávamos que o Poço era sem fim, até que os bombeiros chegaram, entraram caçando o rapaz, falaram: 'Nada, esse poço aqui tem fim. Aqui pode dar 5 metros de água'". (M. 59 anos, Comunidade do Poço Verde)

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Festa do Manzuá - Comunidade Retiro dos Bois

"Oi cadê o Manzuá? Oi ele aqui. Oi cadê o Manzuá? Oi ele aqui."
Ele estará no dia 09 de outubro na comunidade Retiro dos Bois. Manzuá é uma dança de roda onde a trouxa na cabeça do perguntador é que comanda a brinncadeira. Desta dança surgiu o grupo forte da beira da Carinhanha "Manzuá".
Os moradores prometem aos participantes muita festa e alegria em comemoração ao I Prêmio Culturas Populares recebido pela comunidade após concorrem no edital do Governo Federal/2010 com sua história e vivência.
A comunidade quilombola Retiro dos Bois luta há mais de 15 anos pelo reconhecimento territorial e politico por parte do município que pertence (Januária/MG).  Através da música e do batuque deram a volta por cima e no sabádo comemoraremos a volta da matriarca Lorença Borges que depois da diabetes teve que sair de sua comunidade que não tem acesso a saúde.
Com festejo a comunidade receberá, neste dia, a Arca das Letras - Biblioteca rural do Ministério de Desenvolvimento Agrário- que ferverá novamente o espaço da antiga escolinha na casa de Fiota, filha de Lorença, liderança da comunidade.
Segura coração!



Evento: Festa do Manzuá Data: 09/10/2010 Local: Comunidade Retiro dos Bois Chapada Gaúcha/MG e Januária/MG Apoio: Ministério da Cultura/SCC - Governo Federal

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Exposição Ricardo Alves

Hoje haverá a abertura da exposição de Ricardo Alves, pintor de Januária muito dedicado em mostrar as coisas lindas desse sertão. Os postais de Ricardo são de uma beleza só; eu mesma já adquiri um tanto. Tem flor de pequi, pé de buriti, barriguda, pescador, carro de boi, ciganinha (flor), rio São Francisco...
A abertura será às 19:30h no campus da Unimontes (rua do Sertanejo, em Januária).

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Rua da Cultura com folia do Ponto de Cultura Seu Duchim

A Rua da Cultura anunciada aqui e realizada pelo Centro de Artesanato de Januária foi um SUCESSO!
O Ponto de Cultura Seu Duchim: Espaço Geral de Folias e Ponto de Cultura Centro de Artesanato de Januária firmaram mais uma vez a cooperação cultural  entre entidades  culturais do território do Mosaico Sertão Veredas- Peruaçu durante a realização da Rua de Cultura em Januária-MG.
Com atividades de contação de história, mostra de artesanato, música e Folia de Reis o evento cativou quem estava presente.
Realizamos oficina com músicas ribeirinhas e cantigas. Numa mistura de contação de história e roda trouxemos para dentro da brincadeiras os foliões do projeto Folias e Foliões sob a coordenação de Raposo - Cidade de São Francisco - para tocar o lundu. Ao som de " Zabelê", " Caninha Verde" e "Pisei na barata" o caixeiro do terno e os foliões pularam e tocaram animando a garotada!
O Terno de Folia honrou o verso: " Segura a caixa caixeiro, não deixa a caixa parar a caixa custou dinheiro e dinheiro custou ganhar"
Para cativar você leitor do Blog vai uma mostra do que aconteceu na tarde de sábado com vista para  Rio São Francisco e cobertos pelo céu azul de Januária.
Registro fotográfico de Natália Rust

"O fecha a roda tindolelê"
"O abre a roda tindolalá"
As gêmeas do Rosa e Sertão - Diana no sax e Daiana no violão
Damiana soltando a voz



Camila na organização do Cortejo
Agora nossa fotográfa oficial Natalia Rust
Folia e Foliões com a nova geração
Ouvindo histórias!

Realização da Rua de Cultura: Centro de Artesanato Januária - Associação Amigos da Cultura
Parceria: Instituto Rosa e Sertão
RedeCCom
Apoio para deslocamento dos oficineiros do Ponto de Cultura: Prefeitura Municipal de Chapada Gaúcha - SEMEC
Família Medeiros Wombral
18 de setembro de 2010

I ENCONTRO DE AGENTES DE LEITURA DO TERRITÓRIO DO MOSAICO SERTÃO VEREDAS-PERUAÇU

No dia de folia e foliões na Rua da Cultura em Januária realizamos com sucesso o I Encontro de Agentes de Leitura do Programa Arca das Letras - MDA.
Contamos com a presença das comunidades: Ribeirão de Areia, Rio dos Bois e Retiro Velho do município de Chapada Gaúcha; Distrito São Pedro das Tabocas do municipio de Pedra de Maria das Cruzes e Conego Marinho - Estes municípios são pertencentes ao Mosaico Sertão Veredas- Peruaçu.
A programação do dia 18 de setembro ficou por conta da coordenadora executiva do Instituto Rosa e Sertão Damiana Sousa Campos que contou com a colaboração da RedeCCom na realização do registro audiovisual e na dinâmica de auto apresentação.
Durante a manhã a Roda de Prosa ferveu com os depoimentos dos agentes veteranos do programa e com o entusiasmo dos novos agentes que embarcam neste ano com a missão de levar leitura e arte para suas comunidades rurais.
A lição tirada deste encontro ficou registrada com a fala de D.Valdivia " Precisamos de mais iniciativas destas para seguir o trabalho, sozinhos é muito difícil".
O Instituto Rosa e Sertão espera ainda realizar muitos outros encontros e movimentar esta ação que oxigena as relações e ações das comunidades rurais.
Só para dar um gostinho a mais segue o registro fotográfico feito por Natália Rust.
Roda de Prosa com os agentes de leitura
Apresentação do kit encaminhado pelo MDA - Articulação Cultural

Relatos e experiências pela agente de Pedras de Maria das Cruzes - D. Valdivia
Dinâmica de auto apresentação com a RedeCCOM - Agente José Wilson -Comunidade Ribeirão de Areia-Chapada Gaúcha
Agente de Leitura da comunidade Rio dos Bois pela primeira vez em contato com a camera

Este evento contou com a colaboração do Ministério do Desenvolvimento Agrário através da Coordenação e Articulação Cultural, Prefeitura Municipal de Chapada Gaúcha, Instituto Rosa e Sertão e RedeCCOM.

Apoio: Centro de Artesanato de Januária e Família Medeiros Wombral
Registro Fotográfico: Natália Rust
Meninas do Rosa e Sertão: Vitória, Ambrosina, Damiana,  Marilene Lima, Diana Campos, Daiana Campos, Camila Medeiros e D.Vera.
Menino do Rosa e Sertão: Lucas Emanuel

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Arca das Letras e Instituto Rosa e Sertão parceria para o desenvolvimento rural através da leitura

Da esquerda para direita: Patricia, Cleide e Damiana
O programa Arca das Letras do MDA - Ministério do Desenvolvimento Agrário/Articulação Cultural é uma das iniciativas do Governo Federal que fortalece cada vez mais fotalece as comunidades rurais deste nosso Brasil!
A Arca das Letras com seus 180 livros rendem momentos únicos que acreditamos ser um espaço de iniciativas, troca de risos e risadas através das histórias e aprendizado.
Neste espírito realizamos no dia 10/09, Instituto Rosa e Sertão e RedeCCom , um encontro com Cleide Soares - Coordenadora Geral da Articulação Cultural do MDA em Brasilia/DF. Este encontro foi muito importante para o planejamento de mobilização dos Agentes de Leitura de Chapada Gaúcha e Pedras de Maria das Cruzes no I Encontro de Agentes de Leitura a nivel territorial.
Sou colaboradora eventual do programa há dois anos e pude durante esta semana realizar quatro encontros fundamentais para estruturação e firmamento das arcas do município de Chapada Gaúcha com apoio do MDA e Prefeitura Municipal de Chapada Gaúcha.
Amanhã ( 18/09) estaremos em Januária durante a Rua da Cultura, evento anual do Centro de Artesanato, reunidos com 8 agentes para uma roda de prosa e entrega dos livros novos doados pelo MDA.
O trabalho voltado as Arcas é uma das formas de descentralização e valorização do campo através da leitura!!!
E Viva as Comunidades Tradicionais e Viva o acesso a leitura!
Nosso viva a toda a equipe da Arca das Letras e, em especial ao Marcilio Guimarães nosso eterno  incentivador, pelo trabalho direcionado ao fortalecimento do programa.
Amanhã é dia de leitura e folia na Rua da Cultura em Janú e Folia e Foliões mais anoitinha!
Meninas da Arca das Letras selecionando livros
Neste encontro vi de perto a labuta diária feita com muito carinho feita pelas meninas da Arca para organização dos materiais e livros.
Organizando os Kits e contando histórias
Trabalho coletivo e organizado

domingo, 5 de setembro de 2010

Festival de Pipas enfeita o céu de Chapada Gaúcha

Neste sábado, 04 de setembro, o céu de Chapada recebeu mais de 80 pipas durante o I Festival de Pipas realizado pelo Ponto de Cultura Seu Duchim e Instituto Rosa e Sertão.
Com as categorias: Maior Pipa; Mais manobras; Pipa menor e A mais bonita tivemos 68 inscritos. Mas o legal é que as crianças trouxeram seus pais para brincar e se me permitem o comentário " SE AMARRARAM!"

Com pipoca e pirulito a meninada empolgou os visitantes. Além da brincadeira teve papo sério! Dona Laura, esposa de Seu Duchim, nosso patrono, falou sobre a importância dos cuidados com a fiação elétrica e com o uso do cerol. " Não precisa usar cerol, o bonito é a pipa tá no ar" D. Laura.

Na próxima temporada de Pipa vamos nos organizar para levar ao céu de Chapada 1000 pipas! Mas se não rolar o que vale mesmo apena é BRINCAR!

"Soltar Pipa é uma brincadeira legal, longe da fiação elétrica e sem cerol". Damiana


Organização: Daiana Campos e Diana Campos
Colaboração: Wilson Miguel
Realização: Ponto de Cultura Seu Duchim
Apoiadores: Policia Militar, Secretaria de Ação Social, Secretaria de Saúde, Criativa, Manuza Presentes, Cestão da Economia, Thaisa, Adriana Maier, Farmácia Popular, Camâra Municipal de Vereadores, Vereadores: Aguinel., Robson e Jorge Lucas, Aroma Butique.

sábado, 4 de setembro de 2010

Rua da Cultura de Januária 2010

No tempo de primeiro, levava-se uma semana para ir de carro de boi da Carinhanha a Januária pelas estradinhas curraleiras do sertão. Januária, terra de comércio, de cais movimentado, na beira do São Francisco, onde se vinha comprar café e sal... Passadas aí algumas eras, e não é que, com a vagareza da "sucursal" Rosa e Sertão em Januária, estava mais rápido ter notícias daqui via carro de boi do que por banda larga!? "Estava"... Com a ajudinha da tecnologia, vamos reaquecer esse "comércio de notícias". Antes tarde do que nunca, aí vão algumas boas novas de beira do rio, a mostrar que o povo do "Seu Duchim" faz zoada por esse sertão! Para começar, o convite para a Rua da Cultura nos dias 17 e 18 de setembro, um evento muito legal que o Centro de Artesanato de Januária (Ponto de Cultura daqui, parceiro nosso!) organiza com muito empenho todo ano. Depois mando a programação mais fresca. Por ora, adianto que a festa é boa, e que Seu Duchim, metido que é, estará presente no sábado à tarde agitando a meninada. E para relembrar bons momentos, algumas imagens da baguncinha que fizemos na Rua ano passado. As fotos foram tiradas por Priscila Altoé, querida amiga nossa. Quem sabe ela não vem fazer os registros deste ano?
Uma rodinha para aquecer
Entrevistando Dona Nair
Toinha e os meninos papeando
Marilene
Carlúcio declamando suas poesias Pinturas e balangandans
Daia
E a poesia de Laís